Conheça o Kobe beef: a carne mais cara e saborosa do mundo

Boa parte da população brasileira é apaixonada por carnes, principalmente as bovinas, e por esse motivo o crescimento do consumo do alimento rico em proteínas mantém o mercado sempre em alta. Um bom churrasco no domingo, o almoço em família ou aquela data especial estão rodeadas de ótimas companhias e boa comida, mas você já pensou em dividir com a família um bife que pode valer até R$ 4 mil reais?

A carne é considerada a mais cara do mundo, extraída da raça do boi wagyu, originada no Japão. Quem prova da carne confirma que nenhuma outra é tão saborosa quanto a do wagyu.

Os preços, que variam de R$ 150 até R$ 4 mil, estão relacionados com o tratamento que o animal recebe até chegar à fase adulta. Durante toda essa fase de crescimento, ele é alimentado apenas com grãos especiais, passa por sessões de massagens, além de praticar poucos movimentos para evitar o crescimento de músculos. Todo esse processo garante o melhor marmoreio – aquela gordura que fica entre as fibras da carne – do boi wagyu comparado com outras raças.

Após os oito meses de vida, os animais passam por um processo de ultrassom, e com ele os produtores poderão escolher quais serão os melhores reprodutores e quais serão abatidos por conter carne com mais marmoreio.

Mini hambúrgueres servidos em festival gastronômico em SP
Mini hambúrgueres servidos em festival gastronômico em SP.

Normalmente, restaurantes considerados ‘gourmet’ são os que mais servem a carne. Alguns anos atrás, o modo de preparo era quase unicamente na grelha, mas agora os chefes de cozinha estão inovando e produzindo hambúrgueres, churrascos, acompanhamentos e até sushi com essa carne valiosa. Em São Paulo, um hambúrguer feito com kobe beef chega a custar R$ 80 reais.

O maior consumidor da carne ainda é o Japão, seguido pelos Estados Unidos e a Austrália. Aqui existem mais de 3.500 animais puros cadastrados no registro da Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Wagyu – existe mesmo uma associação somente para esses criadores –, todos os demais animais espalhados pelo país são resultantes de cruzamentos entre wagyu e outras raças como o angus e o nelore.

Em outros países, os valores variam de acordo com a numeração atribuída ao marmoreio da carne, que vai de 1 a 12, sendo 12 a carne de maior qualidade e mais cara. Aqui no Brasil a produção atinge até a avaliação 8. Os pedaços mais baratos são, assim como em outros bovinos, as carnes de segunda, que são vendidas em média por R$ 150 reais.

Mesmo no Japão a carne é muito valorizada, lá a forma de preparo é um pouco diferente, o que deixa a carne mais macia como se derretesse na boca, além do sabor forte. Isso termina não agradando alguns turistas que visitam Kobe, a cidade de origem do boi wagyu, que deu nome ao seu melhor bife.

Seja preparado com legumes, no sushi, no churrasco ou no hambúrguer o sabor é inesquecível para quem prova. E você, ficou com vontade de provar essa iguaria? Conta pra gente. :)

Engordar com saúde: Descubra 5 alimentos que ajudam ganhar massa corporal

Pode ser mínima, mas existe uma parte da população que deseja (e, às vezes, até precisa) ganhar peso. Enquanto algumas pessoas fazem regimes malucos e passam horas na academia para perder alguns quilinhos, outras lutam para engordar. Já falamos sobre os motivos disso acontecer, porque algumas pessoas emagrecem com mais facilidade que outras. Mas hoje, para completar essa sessão, iremos falar dos melhores alimentos para essa parcela de pessoas que desejam ter mais massa corporal.

É importante lembrar que ganhar gordura é diferente de ganhar massa corporal, pois a gordura fica concentrada em algumas partes do corpo e fazem mal para a saúde, pois a grande maioria delas são saturadas. Para engordar de forma saudável tem que existir o consumo de gorduras boas – as instauradas e poli-insaturadas – além de frutas, óleos e carnes magras.

Ovos

Consuma ovos com gema e de preferência cozido.
Consuma ovos com gema e de preferência cozido.

Pode comer sem medo: até mesmo a gema, que dizem ser maléfica por aumentar a taxa de colesterol, faz bem. Prefira consumir cozido e com gema, já que ela possui uma grande fonte de colina – substância que ajuda a dissolver gorduras – e depois dos treinos, pois além de dar energia, fornece boas quantidades de proteínas e é riquíssimo em vitamina B12, aquela que ajuda na construção dos músculos e na diminuição de gordura do corpo.

Carne

Consumir carne três vezes na semana é o essencial
Consumir carne três vezes na semana é o essencial.

Consumida três vezes por semana, em bifes sem gordura, pode fornecer boas quantidades de proteína. Além de possuir um aminoácido muito importante, a creatina, um forte aliado na construção muscular. A vitamina B12 também está presente por aqui e com ela o ferro, zinco e niacina.

Queijos

O queijo minas está entre os menos calóricos
O queijo minas está entre os menos calóricos.

O queijo minas está na lista dos menos calóricos, é uma ótima pedida para o lanche da tarde acompanhado com pão integral. Para quem não consegue fazer as seis refeições diárias recomendadas pelos nutricionistas, uma ótima opção é o queijo cottage que possui uma proteína de digestão lenta chamada caseína. Ambos são ricos em proteínas, contém cálcio e vitamina B12.

Batata doce

A batata doce é uma ótima fonte de energia para o copo
A batata doce é uma ótima fonte de energia para o corpo.

Quem está nos treinos a mais tempo é adepto fiel da batata doce, tudo isso devido a boa quantidade de energia que ela fornece. Graças ao baixo índice glicêmico, a velocidade que a glicose circula para o nosso sangue é mais lenta, resultando em mais energia para ao nosso corpo por muito mais tempo.

Azeite de oliva

O azeite de oliva age contra inflamações
O azeite de oliva age contra inflamações.

Possui uma grande quantidade de gorduras boas para o nosso corpo – as mono e poli-insaturadas – agindo muito bem contra inflamações e desgaste dos músculos. Apenas o alerta para o consumo exagerado, já que uma colher de azeite possui cerca 110 calorias, prefira consumir em saladas.

E agora uma dica extra, esse aqui não colocamos na lista, mas é o principal ingrediente: a águaSabemos que 80% do nosso corpo é composto por líquidos, então deixar de se hidratar é como desperdiçar todo o trabalho e dieta que você vem fazendo.

Faça seis refeições por dia e tente não falhar. Se por acaso não realizar algumas refeições em casa, procure comer em restaurantes que garantam a procedência do seu alimento, leve também potinhos com nozes e oleoginosas, frutas com linhaça ou granola para não deixar de fazer os lanches entre as principais refeições.

Quer comer bem? Aqui no Dogão a gente tem!

Mastigar é muito mais importante do que você imagina

O mundo está caótico e a correria diária está cada vez mais forte, não ter tempo para fazer atividades que beneficiem o corpo e a mente está entre os principais motivos para o estresse e problemas com o corpo. Muita gente ignora e considera o ato de mastigar algo banal, às vezes nem mesmo percebem como estão mastigando.

Se alimentar bem – e mastigar bem – deve ser uma atividade importante do dia, assim como entregar aquele relatório para o chefe ou preparar uma grande apresentação na faculdade. Assim como a responsabilidade no trabalho é prioridade, o bem estar do seu corpo deveria ser também.

Mastigar bem durante uma refeição significa botar os dentes para trabalhar por pelo menos 30 vezes por garfada. Já ficou impaciente imaginando isso? Então é provável que você esteja tendo hábitos negativos e colaborando para a produção de grelina, um hormônio que aumenta sua fome, mesmo quando você está comendo há vários minutos.

Quem mastiga certinho colabora para a produção de hormônios da saciedade, como a colecistoquinina. Então, de forma paulatina, seu corpo pode perder aquelas gordurinhas indesejadas de maneira natural e nada agressiva para o corpo. Tudo isso apenas por iniciar o processo de mastigação correta.

Desde a infância aprendemos que a mastigação serve para quebrar os alimentos e ajudar na digestão, e é isso mesmo. Quando os alimentos estão bem triturados, tornam-se ajudantes das enzimas – substâncias que ativam as reações químicas do corpo –, ajudando na digestão. O cérebro já está em alerta, enviando mensagens para o estômago iniciar a liberação de ácidos que ajudam na digestão.

Existem duas enzimas bastante envolvidas no ato de mastigar. A primeira é a amilase salivar, que começa a digerir os carboidratos ainda dentro da boca. A outra, chamada de lípase lingual, está presente na boca e no estômago e é responsável por digerir uma parte dos lipídios – gorduras – dos alimentos.

Nossa mucosa – o tecido que reveste nossos órgãos internos – também ganha nesse processo, pois a mastigação intensifica a salivação e, a partir disso, ocorre a renovação do estômago e esôfago, evitando sintomas de gastrite e úlcera.

Depois de saber desses benefícios, vale a dica: procure deixar aparelhos eletrônicos fora de alcance na hora das refeições, eles distraem e fazem você perder a noção do quanto já comeu e como está mastigando todos os alimentos. Conecte-se somente após as refeições, pode ser? Parece complicado, mas as diferenças positivas logo serão notadas.

Para mastigar corretamente, tente colocar pequenas porções do alimento na boca, iniciar mastigando verticalmente – como o processo de abrir e fechar a boca –, e, após isso, inicie os movimentos rotatórios para triturar completamente o alimento. Assim, fica bem mais fácil para o sistema digestivo trabalhar.

Delícia gelada: saiba mais sobre o milk shake

Este ano, uma das bebidas mais famosas do mundo irá completar 79 anos, e para comemorar vamos conhecer mais da história e curiosidades sobre o milk shake. Como já era esperando a “batida de leite” surgiu nos Estados Unidos, o país que possui a maior quantidade de lanchonetes que produzem a sobremesa.

Acredite ou não, a primeira versão da bebida era destinada exclusivamente para adultos, e você sabe por quê? Porque além do leite e do xarope chocolate, a bebida continha uísque. Essa versão produzida por volta do final do século XIX foi utilizada como tônico para os doentes do país. Pelo visto, parece que há muito tempo as pessoas já gostavam de excentricidades.

Vamos prosseguir na história: foi somente na década de 1930 que o milk shake delicioso que conhecemos atualmente foi produzido. Um senhor americano chamado Ray Croc teve a brilhante ideia de bater leite com xarope de chocolate, morango ou baunilha. O sucesso foi enorme e logo muitas pessoas passaram a pedir sorvete como acompanhamento da bebida, então em 1937 o sorvete passou a fazer parte da sobremesa.

A partir dessa combinação, os sabores passaram a ser ilimitados, pois antes as pessoas tinhas apenas as três opções – chocolate, baunilha e morango – para saborear. Com a chegada do sorvete como ingrediente essencial, novas formas de preparo e combinações foram surgindo, e lanchonetes foram se especializando na produção ao longo dos anos. No final do artigo, mostraremos algumas das mais tradicionais lanchonete dos Estados Unidos, que produzem alguns dos melhores milk shakes do país.

O Brasil está entre os países que mais consomem milk shake no mundo. Boa parte desse sucesso deve-se ao clima do nosso país, já que em boa parte do ano a maioria dos estados enfrentam temperaturas acima dos 30 ºC.

Sabemos que brasileiro gosta de inovar e botar uma pitada de “brasilidade em tudo, e com a bebida batida não foi diferente. O preparo original contém leite, sorvete, chantilly e caldas para decorar, mas agora os copos estão cada vez mais incrementados, com cereais, biscoitos, poupa de frutas e tudo que colabore para dar mais doçura e sabor.

Johnny Rockets

Restaurante Johnny Rockets
Restaurante Johnny Rockets

O restaurante está espalhado por todos os Estados Unidos e é um dos mais conhecidos principalmente pelos seus deliciosos milk shakes. Um lugar temático, criado para relembrar as lanchonetes dos anos 1950. A decoração merece todo nosso carinho, mas os lanches – principalmente os milk shakes – merecem nosso amor. Para quem é clássico, pode optar pelos sabores de chocolate, morango ou baunilha. Mas se você quiser inovar pode escolher entre chocolate e pasta de amendoim, oreo cookies & cream, M&M’s, ou ainda customizar o seu milk shake com todos os ingredientes que você adora. É uma verdadeira maravilha, e a melhor notícia é existem algumas filiais aqui no Brasil!

Billy Bob’s

Restaurante billy bob dairyland
Restaurante billy bob dairyland

Este possui a mesma estratégia do restaurante anterior, com uma decoração clássica e clima vintage. O Billy Bob’s é uma ótima escolha se você for visitar os Estados Unidos. O famoso milk shake de chocolate e pasta de amendoim é o mais pedido do lugar, além de um sundae com brownie delicioso, eles são uma referência quando o assunto é sobremesa.

Curtiu? Passa aqui no Dogão para tomar um milk shake mais tarde!

Ketchup é muito mais que um molho

O molho que não falta na casa de ninguém, está presente na pizza, no sanduíche, coxinha, cachorro-quente e em tudo mais que os apaixonados pelo ‘vermelhinho’ achem possível que combine com o ketchup. É certo que algumas pessoas no mundo – acreditamos serem poucas mesmo – não gostam, mas convenhamos que um sanduíche cheio de ketchup é tudo de bom, não é?

Pois bem, para começar, aí vai uma surpresa: o primeiro ketchup produzido no mundo não era feito com tomate. A primeira receita chamada de “ketsiap” foi feita com salmoura, peixes, mariscos e temperos por cozinheiros chineses, por volta do ano 1690.

Só no século XVIII que o molho passou a se espalhar pela Europa. Ingleses tentaram imitar a receita chinesa e como não conseguiram, passaram a utilizar cogumelos e nozes para substituir os peixes e mariscos da receita original.

O molho foi se espalhando e conquistando mais países ao longo dos anos e, com isso, novos ingredientes foram adicionados nas várias maneiras de preparo do molho. Finalmente em 1830 o ingrediente principal que conhecemos hoje, o tomate, foi acrescentado na receita. Mas nesse primeiro momento a mistura era vendida como remédio, uma espécie de “extrato de tomate composto do Dr. Miles” – sim, era esse nome mesmo – algo que durou apenas algumas décadas.

Agora, outra surpresa, é quase certeza que você irá recordar desse nome de algum lugar: “Heinz“. Lembrou de algo? Provável que sim, porque esse é o nome do primeiro produtor que utilizou o tomate como base do molho que hoje conhecemos, o responsável Henry J. Heinz tornou o molho “Tomato Catsup“, assim chamado por ele na época, popular já pela década de 1876.

A mais recente receita contém tomate, vinagre, xarope de milho, sal e açúcar. Mas até antes do ano de 1940, haviam muitas variações e, para evitar isso, os Estados Unidos criaram um padrão de identidade para tornar a fórmula única. Então esta receita se tornou a atual que muitas pessoas consomem diariamente.

Sabemos que todos os tipos de alimentos, quando consumidos em excesso, podem fazer mal. O ketchup não seria diferente, portanto é bom saber regrar o consumo desse preparado tão delicioso, pois assim você pode adquirir muitos benefícios para sua saúde, afinal ele é produzido com tomate e essa fruta é riquíssima em licopeno, um ótimo antioxidante que protege suas células, e traz melhorias para a beleza da pele, evita câncer, problemas visuais e doenças cardiovasculares.

Para saber qual o melhor ketchup para sua saúde, procure ler os rótulos dos produtos – provavelmente você não faz isso e pega o primeiro que vê –, nas pequenas letras é que existem as indicações da quantidade de conservantes, sódio e colorantes artificiais.

Se ligou na história e nas dicas? Ótimo, porque melhor que ler sobre esse molho é poder saborear um sanduíche delicioso com bastante ketchup! Não perde tempo, eim?! Vem pro Dogão!

Cinco filmes que todo apaixonado por gastronomia deveria ver

Ser apaixonado por comida está além de simplesmente comer. Apaixonados por comida são pessoas que procuram comer o que há de melhor todos os dias – sem a necessidade de pratos mega caros e extravagantes – pois até mesmo um bom hambúrguer caseiro pode se tornar a melhor coisa da vida.

Os apreciadores da boa culinária sempre buscam inspirações, seja para o que comer ou para o que deverá cozinhar. E mesmo que algumas dessas pessoas sejam um desastre na cozinha, sempre arriscam fazer novas receitas em casa, críticas para receitas já existentes e sempre buscam assuntos relacionados ao maravilhoso mundo da gastronomia.

Nós, que também somos apaixonados por comida, preparamos uma lista com cinco filmes para quem também ama esse mundo, afinal chegar na roda de amigos e fazer referência do seu prato com algum filme gastronômico é emocionante!

Ratatouille (2007)

Uma clássica e deliciosa animação conta a história de um rapaz que não leva o menor jeito para cozinhar, e para sair dessa situação recebe ajuda de um ratinho que é um cozinheiro de mão cheia. Com isso, já podemos sentir que é um história bastante divertida, mas que não deixa de mostrar a realidade, pois mostra a importância dos críticos gastronômicos e o poder de uma verdadeira amizade.

A 100 passos de um sonho (2014)

Não poderia faltar romance na nossa lista, certo? Certíssimo, por isso escolhemos esse filme. A história se passa em uma cidade da França onde indianos resolvem morar e abrir um pequeno restaurante familiar. O problema é que eles abriram o negócio bem em frente a um grande e famoso restaurante da cidade, que tem como chef uma mulher autoritária e decidida a tirar aquela família dali.

Julie e Julia (2009)

Para quem gosta de inovar na cozinha e está sempre em busca de receitas novas, esse é o longa perfeito. O filme conta a história de duas mulheres, Julia e Julie. A primeira, uma chef de cozinha muito famosa e tem até livros lançados e programa de TV, enquanto que a segunda encontra-se em um momento de insatisfação com sua própria vida e para mudar isso resolve enfrentar o desafio de reproduzir as mais de 500 receitas do livro de Julia e compartilhar a experiência em um blog. Deu pra sentir que deve ser uma trama deliciosa.

A grande noite (1996)

Esse é para quem gosta de clássicos: a história conta a vida dos irmãos italianos Primo e Secondo, que sonham em abrir um restaurante italiano nos Estados Unidos, país que acabaram de chegar. Primo é um exímio cozinheiro, mas possui um forte temperamento que, de certa forma, atrapalha a realização do sonho dos irmãos. A possível solução surge da ideia de reunir os irmãos com um famoso músico de jazz para abrirem um restaurante com cardápio inovador.

A hora do rango (2005)

Para fechar, é claro que não poderia faltar uma boa comédia. Esse filme é garantia de boas risadas, pois conta a história de garçons frustrados em um rede de restaurantes. Você vai encontrar Monty, o veterano encarregado de treinar o novo garçom, Dean, o esforçado que pensa em sair dali e fazer outra coisa da vida e uma cozinha muito agitada – para não dizer estranha – onde vale tudo, inclusive fazer receitas nada convencionais.

Uma lista com todos os gêneros, agora você não precisa mais reclamar que não conhece filmes que falem sobre comida. Seja para assistir com os amigos, com a família, com o namorado ou sozinha mesmo, o importante é não deixar de ver. Existem tantos filmes com enredo de gastronomia que fica difícil escolher apenas cinco, pois nada melhor que curtir um filme delicioso e depois aproveitar para fazer uma boquinha. Perfeito, não é?

Todo mundo tem aquele amigo que come muito e não engorda, quer saber o motivo?

Enquanto algumas pessoas são regradas quanto a alimentação, existem outras que mesmo comendo muito não engordam nem um grama. Porém, ter essa “sorte” de comer muito e não engordar não significa que é permitido comer tudo que faça mal à saúde. É provável que você conheça uma pessoa assim (ou você seja essa pessoa) que é “magra de ruim”, então é importante saber quando a magreza não está mais fazendo bem.

Para começar você deve conhecer seu IMC (Índice de Massa Corporal), obtido pelo cálculo da divisão do peso pela altura ao quadrado. Os casos preocupantes de magreza ocorrem quando o resultado está abaixo de 17.

Feito os cálculos, agora é hora de descobrir os possíveis motivos da magreza condicionada, que significa ser magro em função da constituição do corpo. Da mesma forma que existem os ‘magrinhos’ que comem muito e não engordam, existem os ‘gordinhos’ que comem pouco e engordam muito.

O metabolismo acelerado e a genética são um dos principais fatores para que isso aconteça. A célula da gordura, chamada lipócito, possui menor capacidade para armazenar gordura nessas pessoas e, assim, diminui a tendência para engordar.

Não existe uma certeza sobre esse caso, porque algumas pessoas comem muito e não engordam, mas teorias são formuladas a respeito, uma delas garante que as proteínas desacopladoras (UCPs), que dissipam o calor e não deixam o alimento armazenado por muito tempo, está presente em maior quantidade nos magros.

Principalmente nos dias atuais, deve-se ter atenção total para o culto excessivo à magreza, em que pessoas mesmo sendo magras – e saudáveis – querem perder mais peso e, com isso, ignorar os prováveis riscos com a saúde e qualidade de vida. A magreza excessiva pode gerar uma série de transtornos, como anemia, edemas, quedas de pressão arterial e baixa imunidade, que abre portas para outras doenças e infecções.

Além das proteínas desacopladoras, o hipertireoidismo pode ter relação com a facilidade de emagrecer e engordar, pois o hormônio que a glândula tireoide produz exerce o controle metabólico do organismo. Outras glândulas que podem ter envolvimento no caso são as suprarrenais, que estão localizadas acima do rins, e se não funcionam bem provocam o emagrecimento e até mesmo falta de disposição e depressão. O emagrecimento patológico pode estar ligado também a doenças como o câncer, a AIDS, o diabetes e até mesmo infecções.

Importante sempre fazer um check-up anual, para ter certeza de que você está livre de qualquer tipo de doença. Sabendo que está tudo certo, a pessoa pode ficar tranquila quanto a sua magreza, pois é saudável e não patológica.

Para quem passou a adolescência sendo magrinho, é provável que ganhe mais peso na fase adulta, mas isso não é regra. Mesmo que engorde um pouco, a pessoa que tem tendência para ser magra possui uma ‘forma’, e dificilmente passará dela. Assim, como quando chegar a melhor idade, poderá voltar a perder peso novamente.

Para quem deseja manter o peso ou engordar um pouco, o recomendável é se exercitar sempre e se alimentar bem, com comidas saudáveis e outras ricas em calorias.

Além da sobremesa: saiba como surgiu o sorvete no mundo

Com origem datada há cerca de 4 mil anos, segundo historiadores, o sorvete teve sua primeira forma na China. Nesta época, já existia entre os chineses o costume de misturar pasta de arroz com neve, uma receita que é semelhante às atuais raspadinhas de frutas. Pouco tempo depois, os árabes aperfeiçoaram a receita, chamando-a de sharbet, e passaram a acrescentar leite, frutas e mel ao gelo, uma maneira que é reproduzida até hoje.

O período de descoberta do sorvete também teve a participação de Alexandre, O Grande. Em seus grandiosos banquetes eram servidos saladas geladas de frutas cobertas de neve. Já o Imperador Nero, há cerca de 1900 anos, mandava seus escravos em busca de neve nas montanhas mais altas para que fossem estocadas junto com frutas e mel em poços profundos.

Após essa época, houve uma queda no consumo de sorvetes nessas regiões e ele quase foi esquecido durante a Idade Média. O foco voltou para a sobremesa gelada quando, em 1295, um mercador chamado Marco Polo teria visitado a China e de lá levara para a Itália além do macarrão e do arroz, a receita do sorvete feita a base de água, a mais parecida com a que conhecemos atualmente.

Como já esperado, o sucesso foi tanto que o sorvete rapidamente se espalhou por toda a Itália. A nobreza italiana tratou logo de tornar a sobremesa um prato luxuoso e sofisticado. O sabor criado pelos mestres sorveteiros eram guardados como verdadeiros tesouros.

Por ano, mais de 950 milhões de litros são produzidos no Brasil
Por ano, mais de 950 milhões de litros de sorvete são produzidos no Brasil.

Em meados do século XVI, o sorvete chega à França, graças a Catarina de Médici, que casou com o rei Henrique II. Ela morava na Itália e levou consigo receitas e chefes de cozinha que lhe serviam diariamente sorvetes dos mais variados sabores. A neta de Catarina de Médici casou com Carlos I da Inglaterra, seguiu os costumes da avó e levou consigo o sorvete para os ingleses. Já em Portugal,  o sorvete chegou durante o período da dominação espanhola no país.

Até essa época, o sorvete era preparado com base em água e frutas, somente em meados do século XVII, na Inglaterra, o leite, ovos e aromatizantes foram incluídos na receita.

O sorvete começou a tornar-se acessível para toda a população depois da inauguração do Café Le Procope, em Paris, a primeira cafeteria e sorveteria da cidade. Ela pertencia a Francesco Procópio dei Coltelli e funciona até hoje.

No Brasil, a chegada do sorvete é aconteceu no ano de 1834, quando Lourenço Fallas inaugurou na cidade do Rio de Janeiro a primeira sorveteria do país. Na época, ele importou um navio de Boston com cerca de 215 toneladas de gelo para a preparação de delícias geladas, eles foram conservados enterrados e envoltos por serragem, durando cerca de 5 meses.

Depois de chegar ao Rio de Janeiro a sobremesa gelada caiu no gosto do brasileiro e se espalhou pelo país de forma rápida e com sabores tipicamente tropicais de frutas como a manga, a carambola e o coco. Hoje em dia, é díficil encontrar alguém que resista a um sorvete bem geladinho.

Você já tomou seu sorvete hoje? No Dogão existem diversos sabores super cremosos e deliciosos, só esperando por você.

Por que somos tão apaixonados por doces?

Para começar este artigo, é preciso esclarecer que os doces podem realmente causar dependência no organismo humano, da mesma forma que o álcool, o cigarro e as drogas ilícitas. A partir do momento que você come doces todos os dias e sente uma tremenda falta quando deixa de comer pelo menos por um dia, fique em alerta: você pode estar viciado.

A paixão pelo açúcar está em nosso DNA. Para entender isso, aí vai um pouco de história sobre nossos antepassados. Há milhares de anos, a grande parte dos alimentos disponíveis eram doces – as frutas, por exemplo –, e, por isso, o ser humano passou a valorizar a energia extra que o doce das frutas lhe oferecia.

Naquela época, as frutas eram consumidas como forma de sobrevivência, afinal, não existiam outros alimentos que forneciam tanta energia ou as lanchonetes e padarias cheias de chocolates, tortas e bombons que temos. Hoje, os tempos são outros e podemos encontrar açúcar em todos os lugares e das formas mais variadas possíveis, e nem sempre saudáveis.

É aí que está o perigo, pois sabemos que açúcar é energia extra para o corpo e estamos rodeados de opções açucaradas, então acostumamos o nosso organismo a consumir açúcar para se manter ativo.

É importante lembrar que a energia do açúcar é realmente importante para o nosso corpo, porém o excesso pode fazer muito mal e causar doenças crônicas como obesidade e doenças no sangue. Alimentos doces nos atraem de maneira instintiva, devido às marcas criadas no DNA ao londo de centenas de milhares de anos, porém essa atração precisa ser normal e controlada.

No primeiro momento, pode parecer terrível ficar sem aquela deliciosa barra de chocolate ao leite ou o sorvete cheio de granulado por cima, mas tudo é questão de hábito. Temos uma enorme capacidade de adaptação, basta saber regrar.

Para melhorar seu ânimo, uma boa notícia: não é preciso eliminar totalmente os doces do seu dia-a-dia. Saiba equilibrar quais são os nutrientes realmente necessários para o seu corpo, faça isso aos poucos e tente eliminar a grande quantidade consumida por dia. Com o passar do tempo essa tarefa se tornará mais fácil e seu corpo irá agradecer.

Semente de gergelim: vai bem com tudo

Você conhece essa semente? Para quem não lembra, aí vai uma dica muito simples: sabe aquelas sementinhas que ficam em cima dos pães de sanduíches que comemos? Então, elas são o gergelim.

Com nome científico de Sesamun indicum, o gergelim é um dos mais antigos grãos cultivados pelo homem e desde essa época se tornou conhecido por seus benefícios trazidos para quem o consome.

Essa semente é riquíssima em cálcio (nove vezes mais que o leite) e, por isso, é ótima para acalmar os nervosos, ansiosos e estressados de plantão – praticamente todo mundo, não é? – Sabendo disso, ficamos até mais contentes ao saborear um sanduíche que o pão seja cheio de gergelim.

Semente de gergelim é utilizada em pães e outras diversas receitas
Semente de gergelim é utilizada em pães e outras diversas receitas.

Para quem perde a concentração até quando uma mosca passa voando vale anotar essa dica, pois o uso da semente fortalece os glóbulos vermelhos do sangue, ou seja, melhora a oxigenação do cérebro, que resulta em mais concentração e rendimento intelectual.

Qualquer alimento que traz gergelim em sua composição possui os benefícios que a semente proporciona. Atualmente, boa parte das lanchonetes complementam os pães dos sanduíches servidos com o gergelim, uma ótima pedida para quem acaba de sair da balada e deseja dizer adeus para a fome, pois a semente é rica em fibras, que dá a saciedade.

Para quem gosta de inovar na cozinha, a dica é apostar no sabor forte e marcante da semente, pois qualquer comida básica fica uma delícia com as sementes. O sabor é agradável e diferente dos temperos comuns e mais conhecidos, então é super bem-vindo nas suas produções culinárias caseiras.

Sabemos que depois do chopp com os amigos fica aquele peso na consciência (ou não) sobre o inchaço e a ressaca do dia seguinte. O melhor que você pode fazer é procurar um algum tipo de comida que contenha gergelim, comer e logo depois agradecer pela barriga que não ficou tão ‘inchada’ como já era esperado. Isso acontece porque essa sementinha tão maravilhosa contém metionina, um aminoácido que não conseguimos produzir, mas é essencial e ajuda o fígado a eliminar e transformar toxinas.

É muita novidade boa pra uma semente só! Ficou claro que o gergelim é tudo de bom e cheio de benefícios, seja a semente pura, no pão, na carne, no leite, no queijo, no suco… Enfim, opções não faltam para consumir, só não vale exagerar, pois tudo em excesso pode fazer mal. :’)

Você já conhecia a semente e os benefícios que ela possui? Conta pra gente!